sábado, 10 de dezembro de 2016

O meu problema com as saudades...

Primeiro foram as saudades de Cuba mas ultimamente morro de saudades de Malta e do que senti quando lá estive.

terça-feira, 6 de dezembro de 2016

Sabes que realmente há retoma económica

Quando tens de esperar numa espécie de fila para saber valores e informações sobre um carro novo.

O desespero!

Preciso desesperadamente de comprar Slims e não conheço um único sítio no Porto onde se vendam (exceptuando as tabacarias dos centros comerciais!).

Resolução para 2017:

#4 - Saltar de paraquedas.


Ainda antes do ano acabar, estou apostada em:


  1. Mudar de casa, de cidade e de local de trabalho.
  2. Ir a Israel.
  3. Comprar um carro familiar.
  4. Fazer um jantar de aniversário fora da caixa.
  5. Tatuar uma coisa importante no corpo.
  6. Voltar a vender discos numa feira de vinil.
  7. Terminar os desafio dos 350kms até ao final do ano.
  8. Levar a cria a ver as iluminações de Natal em duas cidades diferentes.
  9. Agradecer a todos os que tornaram Lisboa numa cidade maravilhosa e cheia de recordações boas.
  10. Fazer uma mini road trip com os amigos do costume.
  11. Ir a um jantar de Natal com colegas novos.
  12. Preparar a edição um novo número de uma deliciosa revista.
  13. Planear um programa de rádio.
  14. Adquirir um portátil lindo e maravilhoso que combine comigo.
  15. Voltar a Lisboa para uma reunião daquelas que enchem o coração.


Outras alturas em que um gajo me dava jeito:

Preciso de comprar um portátil e não faço a mínima ideia do que procurar sequer...

segunda-feira, 5 de dezembro de 2016

Devo estar doente!

Ainda não comi uma única francesinha desde que me mudei para o Porto! 

O truque são baixas expectativas.

Estou há 2 semanas no Porto e ainda não choveu um único dia.

sexta-feira, 2 de dezembro de 2016

Só o estado civil é o mesmo.

Segunda-feira volto ao trabalho,  exactamente 11 meses depois de ter estado em casa entre baixas e licenças. 

Volto ao trabalho num local diferente, numa função diferente, numa cidade diferente, a viver numa casa diferente e com um agregado familiar diferente.

quinta-feira, 1 de dezembro de 2016

Dúvidas que me assaltam:

Serei a única criatura que não consegue fazer um pudim de chia?!?!

sábado, 26 de novembro de 2016

Confissão:

Podes saber que deste tudo e nem assim a outra pessoa soube valorizar o melhor de ti, mas nem isso impede que doa cá dentro e aches que nunca mais vais voltar a confiar em ninguém.

sexta-feira, 25 de novembro de 2016

Como controlar o ciclo menstrual da vizinha.

Sei que a minha vizinha deve estar com o período esta semana, pelo simples facto de ser a primeira vez no mês inteiro em que não a oiço gritar/arfar de noite.

quarta-feira, 23 de novembro de 2016

Já percebi porque é que os queimaram!

Por circunstâncias da vida, estou impedida de usar soutien nas próximas duas semanas e nem consigo descrever a sensação de liberdade que o corpo experiencia todos os dias que visto a roupa sem essa peça interior...

terça-feira, 22 de novembro de 2016

Em noites como hoje...

Sinto-me abençoada por tudo o que tenho na vida.

Verbo da Semana:

Cafezar.

Mudança de paradigma:

Costumava achar que o tempo era o meu bem mais valioso, mas hoje em dia acho que é a minha liberdade.

segunda-feira, 21 de novembro de 2016

Mais uma mensagem que não percebo.

Todos os homens que me querem vender um carro se chamam Paulo.

domingo, 20 de novembro de 2016

Eu juro que não foi propositado mas ri como já não ria há muito!

A minha mãe hoje acabou com um pacote de leite que já estava aberto no frigorífico há pelo menos duas semanas.

quarta-feira, 16 de novembro de 2016

Vai haver momentos em que acreditar vai ser difícil.


Só há duas soluções para isto.

A minha descrença no género masculino é tão grande que ou arranjo amigos gay ou viro lésbica.  

Parecendo que não, a diferença é abismal!

Eu não preciso que me arranjem soluções. Eu preciso é que não me arranjem problemas.

terça-feira, 15 de novembro de 2016

Sei que não sou uma pessoa simples ou comum

#33 - Quando dou por mim durante horas a falar com o meu primo sobre carros e as questões técnicas dos mesmos! 

Porque a minha capacidade de acreditar é tão intrínseca como o ar que respiro.

Eu ainda sonho com noites para dançar, com um saia rodada e sapatos de salto alto, ao som de um piano que toque milongas e onde o amor me enleve e faça deslizar nos braços de alguém que esteja lá para me amparar nas quedas.

Resolução para 2017:

#3 - Comprar um carro familiar.

segunda-feira, 14 de novembro de 2016

Fiquei boquiaberta com a sabedoria do meu pai!

As coisas só acontecem quando fazemos por isso.

domingo, 13 de novembro de 2016

A maior preocupação:

De criar um filho a Norte, é que ele se torna num Dragão em vez de um Diabo.

A propósito do sismo da Nova Zelândia

Quando o nosso mundo abana, é importante que as fundações sejam sólidas mas flexíveis para que a estrutura se mantenha de pé.

Razões (matemáticas e não só!).

A dor de ver uma casa a ser desfeita é proporcional ao tamanho dos sonhos que se construíram nela.

Deficiência emocional:

Tenho saudades de ser desejada por outra pessoa.

sábado, 12 de novembro de 2016

Resolução para 2017:

#2 - Coleccionar e fotografar mais memórias felizes.

Dos rascunhos.

A tua distância é um tiroteio emocional que me rebenta as artérias e me vai matando aos poucos.

sexta-feira, 11 de novembro de 2016

O que me dói...

É o tempo desperdiçado em sofrimento em vez de ser aproveitado a ser feliz.

quinta-feira, 10 de novembro de 2016

Resolução para 2017:

#1 - Comprar mais soutiens push up.

Mas a minha PT diz que ainda não posso!

Tenho saudades de correr pela sensação assombrosa de liberdade que a corrida me proporcionava.

Ser mãe é:

#1 - Saber de cor o nome dos bonecos da Imaginarium.

quarta-feira, 9 de novembro de 2016

I'll be looking for you.


Verbo da Semana:

Web Summitar.

Eureka!

Adoro o Google quando me permite chegar a um nome que trazia na cabeça à imenso tempo mas não me consiga lembrar: Vitória de Samotrácia!

terça-feira, 8 de novembro de 2016

É, no mínimo, poético.

Vou para Norte procurar o meu Norte.

segunda-feira, 7 de novembro de 2016

Já a melhor história de amor...

É aquela que criamos connosco mesmos.

Crónica de uma morte anunciada:

Cada minuto que passeio por Lisboa é uma despedida constante.

Há muita esperança neste coração!

Vejo um videoclip romântico e sinto borboletas no estômago perante a imensidão de possibilidades que estão à minha espera nesta vida.

No ginásio aprende-se:

Que tenho um fraquinho forte por surfistas e agentes da autoridade. 

domingo, 6 de novembro de 2016

Point of no return...

10 anos depois vou voltar à cidade onde este blog começou. 

A principal diferença é que já não sou só eu, desta vez levo o melhor filho do mundo comigo!

São as pessoas que nos prendem aos lugares.

Ainda nem uma semana passou desde que anunciei que ia embora de Lisboa e já tive 5 pessoas a oferecerem-me a sua casa para quando eu precisar de voltar cá!

Não é irrevogável mas é irreversível.

Hoje comecei a vender os meus móveis e só consegui desejar às pessoas que os compraram que fossem tão felizes com eles como eu fui.

Não são as da Disney!

As melhores histórias de amor são aquelas que vivemos na vida real e servem de inspiração às história de amor do cinema!

sexta-feira, 4 de novembro de 2016

É estranho mas verdade.

Do que mais sinto falta nem é de ter alguém que me trate bem ou me mime. É mesmo de não ter ninguém a quem eu possa dar coisas boas...

Acho que ainda há esperança!

Dei por mim a dizer ao meu filho que a vida está cheia de magia a cada canto e esquina.

7 Pecados do Amor:

#4 - Acreditar que o amor é uma questão de divisão com o outro, em vez de ser uma adição ou (se tivermos mesmo muita sorte!) uma multiplicação.

quinta-feira, 3 de novembro de 2016

Se não sabiam, aprendam!

Despir uma mulher é como desembrulhar um presente, quantas mais camadas houver para tirar maior a ânsia e o desejo de chegar ao final.

quarta-feira, 2 de novembro de 2016

Não perdi a fé, mas perdi-me no caminho!

Preciso desesperadamente de voltar a acreditar em coisas boas.

De mim mesma:

Tenho saudades de ser menina.

terça-feira, 1 de novembro de 2016

Dia de Los Muertos.

Novembro é um mês sempre doce em todos os calendários da minha vida. É um mês pequeno e de véspera de uma celebração maior, no sítio onde hoje me encontro, mas é também um mês que começa com a maior celebração de todas: celebrar os (nossos) mortos. 

Comecei Novembro a celebrar precisamente isso, aqueles que me morreram, literal ou figurativamente falando. Aqueles que por motivos diferentes e vários se foram da minha vida e da minha alma, independentemente de terem deixado muito ou pouco de si. Aqueles que decidiram partir, os que a vida levou de mim e também aqueles a quem eu pedi para sairem porque já não tinham mais espaço aqui.

Novembro é um mês de finais felizes, de mudanças, de recomeços, de preparações e de celebrações. É um mês ímpar, no número e nos acontecimentos que traz. É o mês do 1+1 que não é igual a 2. É um mês de pensamentos, de sentimentos, de acolhimentos e de pressentimentos. É um mês doce e curto que obriga a uma pausa logo no seu início e que por isso nos permite perspectivar o que queremos que nos traga ainda antes que o ano acabe.

Novembro é o mês da minha avó. É aquele mês em que a sua presença aumenta e as memórias me assaltam ao ponto de me quererem fazer estar à altura da mulher que me criou e me moldou para ser quem sou hoje, contra todas as expectativas ou desilusões. É um mês que me obriga a repensar quem sou, para onde vou, o que quero e onde vou terminar. Será também por isso o mês que me ajuda a definir objectivos antes de o ano acabar para que possa chegar ao fim e dizer que cumpri aquilo a que me proprus e que criei memórias boas para o ano que passou.

Novembro é um mês que pede chá, mantas, essências, incenso e velas acesas e espalhadas pela casa em todos os dias do almanaque. Novembro pede cafuné, carinho, conchinha, carícias, calor e suor. E por isso a Novembro damos tudo o que ele nos pede na esperança de recebermos o dobro em troca, como a lei da vida sempre nos ensinou que faz.

Novembro veio para dar, tirar, cobrar, terminar, acabar, recomeçar, fazer andar, disponibilizar, sonhar, actuar, guerrear e apreciar. Em suma, Novembro veio para nos revolucionar. Porque este foi o ano das revoluções e não podemos terminá-lo sem a maior revolução de todas. A nossa.

Porque hoje só me lembro disto!

30 dias:

Para cumprir o objectivo!

À tua memória.

Sem o lado B, a vida seria um erro.

segunda-feira, 31 de outubro de 2016

Outubro:

O mês de atingir todos os limites.

domingo, 30 de outubro de 2016

Basicamente o mesmo que acontece nos carros!

A fiabilidade no ser humano parece ser característica rara e estar em vias de extinção.

Não peço muito.

Só quero alguém que esteja lá nos bons e nos maus momentos.

sábado, 29 de outubro de 2016

Até ao ponto de não lhe conseguires resistir.

É a exacta curva do meu pescoço que espera sedenta pelos teus beijos ardentes que a tornem ainda mais vincada.

Só a malta dos 80's vai perceber:

Vou mudar o meu nome do meio para Nokia: Connecting People!

Das entranhas:

Eu nasci para acreditar.

Em Londres aprende-se:

Que tenho sono sempre por boas razões!

sexta-feira, 28 de outubro de 2016

Sabedoria de Aeroporto:

Aquilo que nos amedronta é precisamente aquilo que nos desafia.

A maior história de Amor:

É a do Sol que decidiu morrer todas as noites para deixar que a Lua vivesse tanto tempo quanto ele.

Defeito de Fabrico:

Sou péssima a cumprir as promessas que faço a mim mesma.

quinta-feira, 27 de outubro de 2016

Momento embaraçoso do dia:

Ser apanhada nua pela Helena Isabel.

7 Pecados do Amor:

#3 - Não compreender que o tempo é a chama que alimenta o amor.

Ainda me faz acreditar em coisas boas!

Não há nada mais delicioso do que ver um homem de fato com um ramo de flores na mão.

Esta noite.

Algo se partiu irremediavelmente e eu tenho dúvidas de conseguir voltar a ser a mesma a partir daqui.